Reinado do aluguel: Vitacon não venderá mais nenhum apartamento em 2020


(Exame – Mariana Fonseca) 25/07/2019

Alexandre Frankel, presidente da construtora, colocará em prática a estratégia de edifícios com foco em investidores e nômades da habitação

Poucas empresas acreditam tanto nas vantagens do aluguel sobre a compra da residência própria quanto a Vitacon. Criada em 2010, a construtora tem 64 edifícios nas ruas e pretende lançar o equivalente a 10 bilhões de reais em imóveis nos próximos anos. Todos os prédios terão algo em comum, além de poucas metragens e grandes espaços compartilhados: só estarão disponíveis para investidores e seus locatários.

Alexandre Frankel, fundador da Vitacon, defende que o setor de imóveis terá uma migração gradativa da aquisição ao aluguel, como ocorreu com os automóveis a partir da ascensão dos aplicativos de mobilidade urbana 99 e Uber. Em evento da Vitacon, realizado na semana passada, reforçou a tese ao anunciar que a Vitacon não venderá mais apartamentos a moradores finais a partir de 2020.

“Não acredito no modelo em que a pessoa imobiliza seus ativos, financiando um imóvel por 30 anos. Ou vive indo ao cartório e enfrentando burocracias ao longo de sua vida de proprietário. Nosso objetivo é prover um estilo de vivência mais leve”, afirmou Frankel.

O crescimento dos micro apartamentos

Essa suposta leveza começou pela pouca metragem e pouco comprometimento de capital. Fundada em 2010, a pequena construtora Vitacon vendia imóveis compactos (com plantas de 10 a 77 metros quadrados) perto de áreas comerciais e estações de metrô a preços mais atraentes (a partir de 90.000 reais).

O objetivo inicial era fazer atender usuários que preferiam tempo ao espaço, fugindo do trânsito da cidade de São Paulo. O negócio deslanchou durante os anos de recessão econômica. Segundo Frankel, quatro a cada dez imóveis vendidos apresenta alguma desocupação e a Vitacon teve “captações relevantes enquanto o setor sofria”. A construção civil encolheu 20,5% de 2014 a 2018. A expectativa é que haja crescimento em 2019 — um tímido 1,3%.

A Vitacon foi adicionando diferenciais além de preço e proximidade ao longo dos anos. Apostou em espaços compartilhados e na criação de eventos para sua “comunidade”, compradores ou locatários. Depois, criou o spin-off Housi para digitalizar a documentação de compra e locação e também a prestação de serviços, como contratação de internet e pedidos para limpeza e reforma.

Também na semana passada, a Vitacon anunciou a integração com startups para instalar serviços em seus futuros edifícios como cadeiras massageadoras para fazer manicure e pedicure; salas para consultas médicas; estações para alugar carros, bicicletas e patinetes elétricas; e congeladores com marmitas artesanais.

Esta notícia não é de autoria do Blog Mercado Imobiliário. Os créditos e responsabilidades sobre a matéria acima pertencem ao veículo original, conforme endereço disponibilizado no link: https://exame.abril.com.br/negocios/reinado-do-aluguel-vitacon-nao-vendera-mais-nenhum-apartamento-em-2020/amp/

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.