Bancos negociam alternativa de socorro a construtoras na crise


(Estado de S.Paulo) – 22/04/20

Os bancos avaliam alternativas para socorrer, individualmente, as construtoras que foram afetadas pelo fechamento de estandes de vendas e restrições às obras na crise do novo coronavírus. A discussão está na Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Os bancos privados consideram alternativas como antecipar recursos para obras e flexibilizar as vistorias nos canteiros neste período em que a circulação de pessoas foi limitada para conter a propagação da doença no País. Essas medidas podem injetar um fôlego no setor, uma vez que o crédito contratado para construção normalmente só é liberado após a verificação do andamento das obras. Apesar da disposição em negociar, os bancos privados descartam a formatação de um pacote amplo de apoio nos mesmos moldes do anunciado dias atrás pela Caixa Econômica Federal.

Além disso, as construtoras ficarão de fora da lista de setores que receberão o socorro de bilhões de reais que está sendo discutido pelo consórcio que engloba os maiores bancos do País e é encabeçado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O entendimento é de que o setor de construção civil tem condições de suportar a crise e que poderá retomar futuramente a venda dos imóveis parados no estoque. Além disso, as linhas de crédito para o mercado imobiliário estão concentradas na Caixa – que já adotou medidas de ajuda, diferente de setores como aviação ou varejo não-alimentício, que terão de ser socorridos por conta da crise.

A leitura dos bancos é a de que não adianta ter uma visão top down, ou seja, de cima para baixo para todos os setores econômicos que precisam de apoio nesta crise. No caso das construtoras, cada uma tem uma série de empreendimentos organizados em sociedades de propósito específicos (SPEs), com características individuais em termos de lucro, endividamento, caixa e compromissos.

Enquanto isso, a Caixa, que tem cerca de 70% de participação no mercado nacional de crédito imobiliário, anunciou R$ 43 bilhões para apoiar o setor na travessia da turbulência causada pela pandemia. Esses recursos estão sendo liberados na forma de antecipação de 20% dos recursos para obras e carência de seis meses nas contratações de novos empréstimos. Como contrapartida, as construtoras se comprometeram a não demitir.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.