Arquitetura conservadora, mas sustentável


(Gazeta do Povo) – 20/08/08

A
primeira diferença entre os imóveis dos EUA e os do Brasil está na
forma como eles são vistos. Se por aqui há quase uma relação afetiva
com o lar, por lá a relação é de puro investimento. Esse pensamento se
deve à uma classe média flutuante, segundo o arquiteto brasileiro e
professor do curso de Arquitetura na Universidade Washington, Zeuler
Lima, que mora nos EUA há mais de 11 anos. “Aqui nos EUA as famílias se
mudam com mais freqüência devido a alta volatilidade do mercado de
trabalho. Com um fluxo maior de pessoas, a casa é vista como um
investimento. Por isso, a arquitetura é mais conservadora, as casas não
são personalizadas, não têm uma identidade.”

Outro fator que colabora para a aparência convencional dos imóveis é
o controle de decisão que os construtores e a mão-de-obra em geral tem
sobre a edificação. “A empresa tem um determinado know-how de uma forma
de construir. Se você a contratar é para fazer aquele modelo e pronto.”

Lima comenta que há um padrão estabelecido de casas feitas com
estrutura de madeira e paredes de dry-wall (sanduíches de gesso) e
prédios residenciais de três ou quatro andares (prédios altos são os
comerciais), feitos com estrutura de concreto ou, no caso dos um pouco
mais altos, de aço. “Em meio a todas essas características há também a
influência do clima. No norte do país onde é mais frio é de praxe ter
uma construção com isolamento térmico.”

O arquiteto explica que há uma preocupação com o aquecimento e o
gasto de energia do imóvel, já que os EUA estão cada vez mais
dependente da energia comprada de fora. “A casa pode ter aquela cara
conservadora, mas com painéis de energia solar no telhado. A aparência
engana.”

Metragem

Lima aponta que o tamanho médio de uma casa classe média de dois ou
três dormitórios fica entre 150 e 200 metros quadrados. Um apartamento,
entre 80 a 120 metros quadrados. “Alguns antigos, como o meu que tem 90
anos de construção, podem ter 180 metros quadrados, mas são difíceis de
encontrar. Casas de classe média-baixa tendem a ser menores, entre 80 e
100 metros quadrados”.

Os bairros residenciais dos EUA têm um aspecto muito linear,
organizado, com prédios residenciais baixos e as casas com terrenos
mais amplos do que no Brasil, por uma cultura que liga o “morar bem”
com viver perto do verde. “A divisão entre os terrenos é menos brutal
que no Brasil, sem muros ou grades. Esse conservadorismo muda um pouco,
em alguns estados como Califórnia, Arizona e Flórida, onde houve a
maior especulação imobiliária e a crise está mais intensa hoje, há uma
arquitetura um pouco mais solta e talvez mais criativa.”

Lofts

Esses imóveis que surgiram na década 1970 nas cidades do norte do
país, principalmente em Nova Iorque, com o aproveitamento dos grandes
barracões industriais como residências permanecem um fenômeno
imobiliário até hoje. “Eles têm essa fama de um imóvel moderno,
transado, são muito procurados, mas pouco funcionais. Além dos imóveis
antigos que foram adaptados para serem residências, foram construídos
novos imóveis inspirados nesse aproveitamento e que resultam em uma
distribuição de espaço estranha. São apartamentos grandes, como os de
subúrbio, de 120 metros quadrados.”

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s