Escassez de áreas nas grandes cidades tem levado loteadoras a ampliar limites do perímetro urbano para desenvolver loteamentos em terrenos rurais


Adamy Empreendimentos

A escassez de terrenos nas capitais e metrópoles tem feito com que empresas de loteamento procurem áreas no entorno do perímetro urbano e que, a despeito da proximidade com as cidades, ainda sejam consideradas rurais. Essa alternativa tem fornecido às loteadoras a possibilidade de construir empreendimentos maiores e com as facilidades encontradas nas capitais, como acessibilidade a transporte, comércio e emprego. “Temos como matéria-prima duas situações: vazios urbanos – núcleos remanescentes dentro da cidade e que acabam sendo urbanizados por empresas de loteamento -, e, principalmente, o que chamamos de áreas de expansão urbana, ou seja, áreas rurais”, explica Caio Portugal, presidente da Associação das Empresas de Loteamento e Desenvolvimento Urbano (Aelo).

O primeiro entrave é a regularização da matrícula. Muitas documentações de áreas rurais – quando antigas – precisam ser alteradas. “Se a fazenda é muito antiga, a descrição da matrícula precisa apresentar normativas federais de geoprocessamento, por exemplo…

Ver o post original 1.311 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s