Empresa apresenta protótipo da bicicleta compartilhada de Curitiba


(Gazeta do Povo) – 29/09/16

O futuro sistema de bicicletas compartilhadas de Curitiba deu mais um passo na noite desta quinta-feira (29). O consórcio BikeFácil, que disputa a licitação, apresentou um protótipo da estação e dos veículos que podem ser instalados na cidade. Representantes da Urbs, do Ippuc e do Setran estavam presentes. A amostra é uma exigência do edital, que deve licitar o serviço de compartilhamento de bicicletas pelos próximos cinco anos, na capital paranaense. A ideia é ter 43 estações com um total de 480 bicicletas. Qualquer pessoa vai poder retirá-las, mediante o pagamento de uma tarifa.

Sem experiência prévia na área, o consórcio estabeleceu uma parceria com a hispânica RideOn. O modelo apresentado em Curitiba foi similar ao adotado em Madrid, na Espanha. A estações têm wi-fi, que poderá ser utilizado pelos usuários na hora de desbloquear as bicicletas pelo aplicativo. O quadro é uma única peça de aço, um modelo diferente daquilo que é encontrado no mercado, o que inibi o roubo.

Se tudo der certo, a capital paranaense deve ter um sistema de bicicleta compartilhada disponível a partir de janeiro de 2017. Com a apresentação da amostra, o próximo passo é a abertura do envelope com a proposta da empresa, para verificar a documentação. A Urbs então deve abrir prazo para recurso. A intenção da Urbs é vencer esta etapa burocrática “o mais rápido possível”, se possível já na próxima semana, explica Pedro Romanel, da área de Equipamentos da empresa.

As bicicletas apresentadas já vem com suporte para a colocação de uma bateria. São veículos “híbridos”, que podem tanto funcionar no modo 100% analógico, como de forma elétrica (a bateria não funciona como um motor, mas “dá uma força” para pedalar numa subida, por exemplo). O uso da funcionalidade, no entanto, ainda deve ser acordado com a prefeitura. Paris, por exemplo, deve ofertar a funcionalidade a partir do ano que vem. A ideia é que os próprios usuários comprem a bateria e encaixem na bike na hora de utilizá-las.

Essa é a segunda etapa da licitação para o sistema de bicicleta compartilhada de Curitiba. A BikeFácil CWB foi a única interessada no pleito, aberto no último dia 2 de setembro. Agora, a Urbs irá abrir prazo para recurso. Se homologada, a empresa deve ser contratada para um contrato de concessão pelos próximos cinco anos.

Publicidade
O edital exige um mínimo de 480 bicicletas. As estações são divididas em grandes (16 bikes e 20 vagas, no mínimo), médias (12 bicicletas e 14 vagas) e pequenas (oito bicicletas e 10 vagas). A implantação será em duas etapas. Nos primeiros 75 dias a empresa deve instalar 25 estações e 280 bicicletas. Depois, são mais 65 dias para as 18 estações e 200 bikes restantes.

Tarifa
Para utilizar o sistema, será preciso comprar um passe. O BikeFácil pretende cobrar R$ 5 na tarifa diária, R$ 12 na mensal e R$ 54 na modalidade semestral. Durante o período contratado, o usuário pode usar quantas bicicletas quiser, durante um período máximo de 45 minutos. Quem exceder este período deve pagar uma taxa adicional, cujo valor ainda não foi divulgado, mas deve variar entre R$ 2 e R$ 2,50 para cada 15 minutos a mais.

Custos
Não estão previstos custos para o município. O sistema deve arrecadar com as tarifas cobradas dos usuários e com a exploração publicitária nos veículos e nas estações. O município ainda pretende ficar com 15% do valor bruto arrecadado com as “multas” (valor cobrado de quem exceder o período de 45 minutos). Abikesharing estimativa da Urbs é de que este valor deve girar em torno de R$ 78,7 mil ao mês.

Estudioso de sistemas de bikesharing, o advogado Rodrigo Vitório, da ONG Transporte Ativo, é crítico de sistemas que não preveem um subsídio público. “Tudo é repassado para a iniciativa privada, tudo na busca de patrocinador, como se fosse um serviço realmente acessório”, diz, em referência a editais de cidades como Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília

Na iniciativa de Curitiba, a falta de subsídio é em parte fruto da situação econômica atual da cidade e do país, reconhece Pedro Romanel, da Urbs. Além disso, esta é uma primeira iniciativa. Com a implantação destas primeiras 43 estações, a ideia é avaliar a receptividade da cidade em relação ao bikesharing, quais as demandas e rotas utilizadas, para pensar como o sistema deve funcionar dentro da mobilidade urbana de Curitiba como um todo.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s